Renato Sorvilo

Um novo olhar sobre a fotografia de cavalos

Nascido na capital paulista, porém vivendo desde pequeno em Socorro, onde a família Sorvilo tem um haras, Renato foi criado em convívio constante com os puro-sangue árabes. Para ele, as baias eram uma extensão de casa – e assim continua sendo até hoje.

 

Enquanto crescia, Renato foi aprendendo a ver cavalos de todos os ângulos, e também se envolveu em todas as tarefas relacionadas à criação. Desde cedo, sabia que desejava seguir próximo aos animais em sua carreira profissional. Adolescente, começou a registrar em fotos o crescimento dos potros, documentando as mudanças significativas que em poucos meses ocorrem em um cavalo jovem. Junto com seu pai, selecionava as melhores imagens para o álbum de cada animal. Daí a voltar para São Paulo, e cursar os quatro anos do curso profissional de fotografia da Faculdade do SENAC, foi um passo. Neste período, Renato fez seu primeiro curso com um dos nomes mais conhecidos e respeitados na fotografia equestre internacional, Paula da Silva. A profissional europeia não apenas deu muito incentivo ao colega em início de carreira, como viria a se tornar uma referência permanente para ele, e hoje ambos estão em contato constante. Renato cita Chico Audi, Gigi Grasso e Stuart Vest como outros fotógrafos que o inspiraram e lhe serviram de referência ao longo de sua carreira. Depois de formado, Renato voltou a residir em Socorro, e logo começou a fazer trabalhos fotográficos para Haras de todo o Brasil.

 

Paixão com técnica: os desafios do fotógrafo profissional

Nos dias de hoje, a presença constante da fotografia digital amadora representa desafios constantes à qualidade e criatividade da obra de todo fotógrafo profissional. Quem deseja viver de fotografia precisa criar diferenciais que identifiquem seu trabalho dentro do nicho escolhido. Renato fala sobre o processo de busca de identidade de um jovem fotógrafo, e do conhecimento necessário a um fotógrafo de cavalos:

“É fato que a fotografia digital veio para ficar, e que dentro deste mundo existe muita fantasia. Uma foto com qualidade deve transmitir a realidade do animal, e isto só é crível se o fotógrafo é, de fato, uma pessoa do cavalo, conhecedora deste mundo e de seus incríveis detalhes. Há poucos profissionais no mercado fotográfico de cavalos com este tipo de visão. A fotografia sempre é um registro de grande valor não somente no âmbito financeiro, mas também na questão sentimental.

Acredito que existam três tipos de cavalos importantes. Há os campeões em alguma modalidade equestre, e que além disso se revelam produtores de novos animais de qualidade. Estes são capazes de influenciar qualquer criatório no mundo. Há depois aqueles que são ícones como campeões em sua modalidade, mas que não são capazes de transmitir, em larga escala, esta característica a seus descendentes. E existe também o caso oposto – animais que nunca ganharam em alguma modalidade, mas que se tornam genitores de animais de muita qualidade, seja devido a seu pedigree ou devido a características extremas de sua conformação. E em todos estes casos, uma boa foto poderá se tornar o retrato daquele indivíduo para a posteridade.

O profissional de fotografia deve buscar os ângulos certos, priorizar as qualidades, retratar a realidade o mais fielmente possível, dentro dos padrões e das características de cada raça. A foto precisa identificar os mínimos detalhes do animal. O momento certo para o “click” depende de uma compreensão tanto dos cavalos como um todo, quanto daquela raça, quanto do indivíduo à nossa frente. Mesmo com todas as possibilidades da fotografia digital, este amálgama de qualificação, técnica, e sensibilidade características é humano por definição, e sem ele, o melhor equipamento não produzirá os resultados desejados. O olho clínico de um bom fotógrafo de cavalos vem dele viver e respirar o cavalo.”

 

Cavalo árabe: uma distinção milenar

Se a relação do homem com os cavalos é passional por definição, a paixão dos aficionados pelos puros-sangues árabes é um capítulo à parte. A história milenar da seleção resultou em beleza e proporção de formas, e um tipo único de inteligência equina, que alia temperamento e docilidade. Lendas históricas a respeito da raça existem em abundância: de como faraós, reis e imperadores buscavam os melhores cavalos pelo mundo afora. Preços fabulosos, resgates de príncipes, e mesmo cidades inteiras foram trocados por esplêndidos animais, quando estes não eram disputados à custa de sangue humano.

 

O fato inconteste é que muitas das atuais características do cavalo árabe resultam de sua adaptação ao deserto. Há diversos aspectos de sua conformação original que foram privilegiados, selecionados e desenvolvidos com grande sabedoria pelos beduínos, com ensinamentos transmitidos, durante milênios, de geração a geração. É consenso de hipólogos e dos compêndios sobre equinocultura que o Puro Sangue Árabe é o mais perfeito equino, e o verdadeiro protótipo do cavalo de sela.

 

Na opinião de Renato, para o fotógrafo a paixão especial pelo cavalo árabe é essencial para retratar a raça de maneira fidedigna, para que até mesmo o leigo compreenda, num simples olhar, tudo aquilo que o puro-sangue árabe tem de único e arrebatador. Mas paixão sem técnica é apenas diletantismo, e Renato conceitua o significado de “fotografia de autor” para o retratista profissional de cavalos:

“A cada novo trabalho que realizo, sinto que busco aprimorar o resultado final. A exigência de que as qualidades do animal sejam retratadas da maneira mais fiel possível é um desafio constante. A finalização requer um alto grau de exigência comigo mesmo, na busca de melhor ângulo, iluminação, foco principal – até chegar à foto que mostre aquele cavalo em seu melhor. É uma grande satisfação observar a fotografia finalizada, na certeza de ter atendido as expectativas. Tudo isso demanda do profissional uma atualização constante, tanto dos próprios conhecimentos, quanto de equipamentos e recursos técnicos.”

 

Além do trabalho fotográfico, Renato oferece a seus clientes assessoria de marketing, visando a promoção do criatório ou do centro de treinamento no grande universo do equibusiness internacional. Os serviços oferecidos podem incluir retratos de animais, trabalhos de arte, produções comerciais (anúncios ou produção de catálogos), entre outros.